Filmes de super-herói salvam Hollywood em 2018

Mesmo com o crescimento cada vez maior dos serviços de streaming e a discussão sobre a falta de ideias e bons roteiros originais em Hollywood, o ano de 2018 foi o melhor da história do cinema norte-americano, com os Estados Unidos na liderança em bilheteria arrecadada, a qual alcançou o patamar de US$ 42 bilhões no mundo inteiro.

Somente nos EUA, houve um aumento de 7% em comparação a 2017, o que resultou em uma bilheteria de cerca de US$ 12 bilhões, de acordo com a Comscore. Em 2017, as vendas de ingressos nos Estados Unidos e no Canadá haviam tido uma queda de mais de 2%, o que deu início a uma crise interna em Hollywood, devido ao receio de que o público estivesse desistindo de ir ao cinema.

Em 2017, uma das hipóteses levantadas para explicar a queda na arrecadação global era de que o público poderia ter se cansado de assistir a tantas continuações, as quais predominaram ao longo do ano. Porém, em 2018, alguns dos longas maia lucrativos foram justamente as sequências de histórias que já tinham feito sucesso anteriormente. Entre os exemplos, é possível citar “Jurassic World: Reino Ameaçado”, da Universal Pictures, e também “Os Incríveis 2”, dos estúdios Disney.

Entre os dez filmes mais lucrativos de 2018 nos Estados Unidos, todos eram continuações, filmes de super-heróis ou as duas coisas. O topo da lista ficou com o filme “Pantera Negra”, da Disney, que arrecadou cerca de US$ 700 milhões no país. Na segunda colocação, está “Vingadores: Guerra Infinita”, também dos estúdios Disney, o qual foi o longa com a melhor bilheteria em esfera global.

Segundo o que foi dito pelo diretor da Associação Nacional de Proprietários de Cinemas, Phil Contrino, em notícias veiculadas pela imprensa local, 2018 trouxe vários filmes que agradaram o público. Enquanto o primeiro semestre foi impulsionado pelos filmes de super-herói, o segundo semestre também teve surpresas positivas, como o drama musical “Nasce uma Estrela” e a cinebiografia “Bohemian Rhapsody”.

Entre a parcela da população que possui entre 18 e 34 anos, a porcentagem dos que frequentaram o cinema em 2018 subiu ligeiramente para 48%, o que indica que os mais jovens ainda se interessam pela experiência tradicional oferecida pelos cinemas.