IPCA-15 divulgado pelo IBGE é o menor para o mês de janeiro desde o Plano Real

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou no dia 23 de janeiro de 2018 a prévia da inflação do Brasil, que foi estimada em 0,30% no mês de janeiro. Os dados são do IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15), o indicador que estabelece os parâmetros para as previsões da inflação do país.

De acordo com as notícias divulgadas pelo instituto, a atual previsão da taxa é a menor para o mês de janeiro desde 1994, quando foi instituído o Plano Real. Considerando o acumulado dos últimos 12 meses, os dados apontaram uma taxa de 3,77%, que é um valor inferior a taxa de 3,86% que foi registrada no acumulado dos últimos 12 meses anteriores a essa divulgação. O IBGE ainda revelou que o ano de 2018 encerrou com uma inflação de 3,75%.

Os dados divulgados pelo IBGE apontaram que alguns produtos e serviços contribuíram para essa prévia baixa da inflação em janeiro de 2018. Os principais contribuidores foram os preços de serviços de transporte e de produtos de vestuário, que apresentaram uma deflação de (-0,47%) e (-0,16%) respectivamente, durante a transição de dezembro de 2018 para janeiro deste ano.

Esses dois setores da economia foram responsáveis por conter a alta apresentada pelo setor de alimentos e bebidas, que apresentou um resultado de 0,87%, o que demonstra o maior avanço já registrado para o período.

Os demais grupos pesquisados pelo IBGE apresentaram os seguintes resultados na passagem dos meses de dezembro e janeiro: Alimentação e bebidas (0,87%), Saúde e cuidados pessoais (0,68%), Artigos de residência (0,58%), Despesas pessoais (0,43%), Educação (0,31%), Habitação (0,08%), Comunicação (0,06%), Vestuário (-0,16%) e Transportes (-0,47%).

Mesmo com dados bastante positivos a alta no grupo Alimentação e Bebidas foi bastante repercutida nessa divulgação do IBGE. De acordo com os dados do instituto, o grupo obteve a maior alta na inflação para a transição de um mês para o outro. Os dados apontaram ainda que essa alta foi impulsionada pela alimentação realizada no domicílio, que foi de 0,22% em dezembro de 2018 para um total de 1,07% em janeiro deste ano.