Associação revela queda de 13% nas exportações de suco de laranja

A CitrusBR informou que o Brasil exportou menos suco de laranja entre os períodos que vai de julho de 2018 a março deste ano. Comparando esses nove meses com o mesmo período na safra anterior, o recuo apresentado pelas exportações chegou a 13%. Os dados foram informados pela Associação Nacional de Exportadores de Sucos Cítricos no dia 11 de abril de 2019.

Mesmo com os dados de queda para esse período de exportação, o Brasil ainda é o principal exportador mundial de suco de laranja. Entre os nove meses analisados pela associação, foram exportadas 741.042 toneladas de suco de laranja concentrado e congelado. O volume do período anterior foi de 855.822 toneladas de suco de laranja. Neste último período, as exportações geraram o valor de US$ 1,3 bilhão, o que aponta uma redução de 12% em relação a receita gerada no período anterior.

“Essa redução nas exportações de suco de laranja tem se mantido como uma tendência já fundamentada pelo mercado internacional”, apontou Ibiapaba Netto, que é o diretor-executivo da associação CitrusBR.

Dentre os principais receptores do suco de laranja do Brasil está a União Europeia, que entre 2018 e 2019 importou 478.098 toneladas do produto brasileiro. Embora o volume pareça muito grande, essa última safra também registrou queda nas exportações para o bloco econômico, sendo 7% menor que na safra anterior.

No entanto, o recuo mais acentuado registrado durante esta última safra foi percebido nas exportações para os Estados Unidos. De acordo com as notícias informadas pela CitrusBR, o volume de suco de laranja concentrado e congelado comprado pelos Estados Unidos recuou 26%. O país importou neste período apenas 167.831 toneladas de suco de laranja.

Já a China foi o país que mais avançou em relação ao consumo de suco de laranja do Brasil. De acordo com os dados divulgados, a China aumentou em 200% seu volume de importação de suco de laranja brasileiro. O avanço foi observado dentre os últimos 15 anos de exportações.

Netto também falou sobre o avanço nas exportações para a China: “Estamos esperançosos com as negociações que estão sendo realizadas pelo Ministério da Agricultura para que a nossa competitividade melhore com mais condições de acesso. Assim o Brasil poderá crescer neste mercado”.