Relatório mais completo da ONU aponta animais e plantas ameaçados em extinção

A ONU (Organização das Nações Unidas) divulgou no dia 6 de maio de 2019 um novo relatório informando que um milhões de espécies, incluindo animais e plantas, estão sob ameaça de extinção. O relatório é um trabalho feito pela “Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade e Serviços de Ecossistema”, também chamado de IPBES. Os dados divulgados contaram com a colaboração de 145 cientistas presentes em 50 países, sendo que este relatório já é considerado o trabalho mais extenso que informa perdas significativas no meio ambiente.

Esse novo estudo também contou com a revisão de outras pesquisas científicas sobre o assunto, que somadas chegam ao número de mais de 15 mil. De acordo com as notícias divulgadas pela ONU, o relatório evidencia cinco grandes causas para que as mudanças na natureza tenham sido observados dentro das últimas décadas, sendo elas: exploração de fontes naturais, perda de habitat natural, poluição, espécies invasoras e mudanças climáticas.

Segundo os dados divulgados desde 1900 diversas espécies nativas têm apresentado redução significativa dentre os principais habitats terrestres. Considerando o total, a redução é de 20% no volume médio de espécies nativas presentes nesses habitats. Por espécies, a redução ocorreu principalmente em relação aos anfíbios, que reduziram mais de 40% e em relação aos corais, que apresentaram redução de 33%. Os mamíferos marinhos também apresentaram redução significativa durante o período analisado, sendo estimado em mais de um terço do total. Desde o século 16, o relatório apontou que um total de 680 espécies de vertebrados foram extintas.

O pesquisador e também professor Josef Settele, informou sobre os dados levantados pelo relatório: “Espécies, ecossistemas, variedades locais, populações selvagens, animais domésticos, raças de plantas, e tantas outras vidas estão desaparecendo ou diminuindo com o passar do tempo. A rede essencial que conecta toda a vida na Terra está cada vez menor”.

Na opinião de Settele, os dados divulgados no relatório mostram a ação do homem. “Este é o resultado mais direto da atividade humana em relação a vida na Terra e volta ao homem também como uma ameaça a humanidade em todas as regiões do planeta”, afirmou Settele.