Americanos anunciam inspeção em frigoríficos brasileiros de carne bovina e suína

Os Estados Unidos informaram no dia 7 de junho de 2019 que fará uma missão veterinária no Brasil com o objetivo de inspecionar frigoríficos de suínos e bovinos nas próximas semanas. De acordo com as notícias divulgadas pelos Estados Unidos, o objetivo principal é retornar as importações de carne bovina fresca do Brasil. Mas devido a todas as polêmicas de 2017, os americanos querem ter certeza da qualidade do material que será importado.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento informou que é de grande interesse para o Brasil retomar as exportações para os Estados Unidos que foram suspensas desde 2017 quando houve o escândalo de vários frigoríficos com carne em mau estado.

A missão americana tem prazo estimado para acabar no dia 28 de junho deste ano e deverá passar por seis estados do país, sendo eles: Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul. Além dos frigoríficos desses seis estados, os especialistas irão inspecionar os LFDAs (Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária). Em São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Goiás, os SIPOAs (Serviços de Inspeção de Produtos de Origem Animal do Ministério) também serão inspecionados pelos americanos.

Todo esse roteiro de inspeção será cumprido com a ajuda de duas equipes, sendo que cada uma delas possui seis veterinários. Os americanos que irão inspecionar os frigoríficos brasileiros são do FSIS, no português quer dizer “Serviço de Inspeção e Segurança Alimentar dos Estados Unidos”, um órgão americano que pertence ao USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

Tereza Cristina, atual ministra da Agricultura, informou que a carne brasileira está dentro dos padrões de qualidade exigidos pelos americanos e por isso, as exportações de carne bovina fresca poderão ser iniciadas em breve.

A suspensão das importações de carne bovina fresca feita pelos Estados Unidos ao Brasil ocorreu em junho de 2017. Os Estados Unidos tinham aberto as portas para a carne brasileira a menos de um ano quando a polêmica da carne viralizou no Brasil. Antes disso, foram 15 anos de negociação ininterruptos para convencer os americanos da qualidade da carne brasileira.