Donata Meirelles aborda detalhes acerca do projeto fashion “Alfaiate Futurista”

O Rio de Janeiro passou a contar com um projeto de moda que mescla conceitos de alfaiataria e aplicações na área têxtil provenientes de recursos tecnológicos. Funcionando sob o nome de “Alfaiate Futurista, trata-se de um projeto criado e conduzido pelo empresário Rony Meisler. O empreendedor, segundo noticia a empresária Donata Meirelles, embora jovem, já é bastante conhecido no seguimento fashion por conta de sua marca, a “Reserva”. A inauguração ocorreu em meados de agosto de 2018, no Leblon, destaca a empreendedora, que também atua no ramo da moda.

A empresa gerenciada por Meisner possui uma linha de atuação que se encaixa ao do Alfaiate Futurista. Nela, a produção se baseia em peças de caráter básico, cujo intuito é permitir o uso em atividades cotidianos que os clientes possam ter. Além disso, tudo o que é produzido não conta com estampas, assim como se vê em confecções de todo o mundo. Um dos pontos que aproximam a organização da proposta do projeto em questão é o fato de todas as roupas serem feitas sob medida.

O modo como os clientes são atendidos é, segundo o proprietário, um dos principais diferenciais de sua empresa. Ele esclarece que há uma preocupação em se perceber o cliente de uma forma holística, ou seja, este é analisado em sua totalidade. Desse modo, há um prévio diálogo entre o vendedor e o consumidor, onde este é questionado até mesmo sobre suas preferências musicais, bem como em relação à bebida de sua predileção. O que se busca, de acordo com Meisner, é a produção de algo exclusivo, que se encaixe perfeitamente aos anseios de cada pessoa.

Já nessa conversa inicial o uso da tecnologia surge como elemento determinante para o trabalho realizado dentro da companhia. É por meio de um aplicativo próprio que o vendedor poderá informar (ou sugerir) ao cliente algumas peças que possam lhe cair bem. Após este momento entra em cena o trabalho realizado no projeto, uma vez que passa-se para a etapa de confecção das peças que foram escolhidas.

A equipe da oficina fica incumbida, dentre outras tarefas, de separar as peças que foram confeccionadas pelos integrantes do projeto. Donata Meirelles salienta que este é um dos momentos mais emblemáticos, tanto em relação à marca, quanto no que diz respeito à atuação dos participantes do Alfaiate Futurista. Ela explica que os clientes são conduzidos até um provador onde o seu estilo de música predileto pode ser ouvido ao fundo, daí a necessidade de se perguntar o que cada um prefere. Para Meisner, um dos objetivos da empresa é proporcionar uma agradável experiência de consumo.

Caso o cliente aprove o que foi produzido, sua única tarefa será a de fornecer seus dados bancários. O caixa, conforme pontua Meisner não é do mesmo modelo que se vê em comércios convencionais. Ele optou pela construção de um tipo de bar, em que os clientes podem aguardar até que as transações de compra sejam finalizadas. De modo geral, o empresário deixa claro que seu objetivo é o de que os consumidores consigam estar em um ambiente que mescla a possibilidade de compra, descontração e alta tecnologia. Em relação a este último ponto, o emprego tecnológico é visto desde o atendimento até a finalização das peças, ressalta Donata Meirelles.

O papel da tecnologia é percebido principalmente no que se refere à utilização de uma plataforma própria. É nesta aplicação que ficam registrados todos os dados referentes a cada cliente. Assim sendo, ao acessá-la, o vendedor já saberá quais as preferências e dimensões físicas de um dado consumidor, bastando apenas confirmar estas informações em uma próxima compra. Desse modo, o uso do aplicativo transcende a questão da escolha dos melhores looks, salienta a empresária. Meisner aponta que uma das facilidades obtidas por este recurso consiste na sugestão de peças que se adaptem perfeitamente ao corpo de cada um.

Com o uso da tecnologia aplicado de um modo pouco habitual, Meisner acredita que os próprios vendedores passam a assumir o papel de alfaiates futuristas, pois dispõem de uma ferramenta que já esboça o que será confeccionado. O local onde ocorre a confecção de todas as peças que podem ser adquiridas na loja fica no estado de Minas Gerais. Em relação ao prazo de entrega das roupas, o empresário menciona que este costuma ser de até 20 dias.

A empresa de Meisner conta ainda com um sócio: Felipe Siqueira. Assim como ocorre na loja em questão, Siqueira adotava a mesma forma de produção, pautada na confecção de peças sob medida. A única diferença entre os dois negócios é que esta última empresa se limitava ao fornecimento de camisas. A empresária Donata Meirelles reporta que a Reserva, por sua vez, produz um leque maior de peças do vestuário masculino, que vão desde as tradicionais camisas até shorts e outras roupas básicas.